sábado, 2 de janeiro de 2016

Não importa a pergunta

O ano de 2015 foi provavelmente o mais recheado de aprendizados e conseqüentemente, o mais enriquecedor da minha vida. Curioso ver nas timelines das minhas redes sociais e nos grupos que participo, a quantidade de comentários negativos sobre o ano que se passou. Não estou dizendo que não tive os meus momentos desafiadores em 2015 e gosto de usar a palavra desafiadores ao invés de difíceis, por causa de uma das coisas que aprendi no ano passado: o peso das palavras. A crise econômica também me atingiu, sofri os efeitos de crises pessoais, mas decidi olhar todos os obstáculos de 2015 como oportunidades de crescimento. Dei a cada desafio o peso que ele merecia e os encarei como os contrastes necessários para a minha evolução. 

Mas existe um outro aprendizado que 2015 me trouxe, um aprendizado muito mais eficaz do que os xaropes de vó que servem para curar tudo, desde congestão nasal até dor de barriga. O que eu aprendi é que não importa a pergunta, o amor é a resposta. Simples assim... 

E é simples mesmo. Não devemos nos deixar levar pela onda de inversão de valores. Resista! Mesmo que te chamem de tolo ou que as circunstâncias te façam duvidar disto, respire fundo e pense que todos nós estamos aqui em busca do mesmo objetivo: a felicidade. Estamos todos tentando, do jeito que sabemos, do jeito que aprendemos. A intolerância, que é prima da falta de amor, é uma erva daninha que vem ao longo de eras diminuindo a nossa compaixão e nos tornando cada vez mais egoístas. É importante ressaltar que individualismo é diferente de egoísmo. O individualismo para mim é algo positivo, significa que eu estou comigo, me amando, me perdoando, mas respeitando o outro e a sua individualidade. Enquanto o egoísmo parece-me ser algo que distancia as pessoas, quanto mais alguém quer estar no centro, mas distante ele fica do que realmente importa.

Não tenho a ilusão de que entre os dias 31 de dezembro e primeiro de janeiro os meus desafios magicamente sumiram, acho fundamental este desejo coletivo de que a cada novo ano, as esperanças se renovam, mas gosto de pensar que a cada mês, a cada semana, a cada dia, a cada hora, a cada minuto, existe a possibilidade de renovarmos as esperanças e criarmos a nossa própria realidade. É por isto que eu desejo para mim em 2016 e em todos os anos que virão, que eu sempre saiba a resposta, não importando a pergunta que a vida me faça.





4 comentários:

  1. Texto delicado e ao mesmo tempo de profunda reflexão! Amei Emi...Suoer beijo e sigo seguindo a resposta para todas as perguntas: O AMOR!!!

    ResponderExcluir
  2. Fato... amar, amor...sempre será essa a resposta. Por mais que tentamos ver outro caminho, a resposta é esta! Super de acordo com sua sensível pessoa que amo amar! =]

    ResponderExcluir